Inovação Social

A inserção da dimensão “social” na área de inovação traz consigo diversos desdobramentos e significados. Como se trata de um fenômeno relativamente recente no Brasil e no mundo, ainda pairam no ar muitas dúvidas sobre o que seria uma inovação “social” (e/ou ambiental) e o que seria apenas inovação. Afinal, nem toda inovação é social/ambiental:

Inovação social é distinta (da inovação “convencional”) tanto em termos de resultados quanto em formas de relacionamento, pois traz novas formas de cooperação e colaboração entre os envolvidos. Como resultado, os processos, métricas, modelos e métodos utilizados na inovação comercial ou tecnológica nem sempre são diretamente aplicáveis no campo social (The open book of social innovation, 2010)

Compartilhamos desta compreensão de Inovação Social e, a partir dela, temos atuado nesta área a partir de duas grandes frentes estratégicas:

1. Fomento a iniciativas de inovação social

– em 2016 criamos o InovaSocial (http://inovasocial.com.br/) cujo objetivo é produzir e disseminar conteúdos e práticas sobre o tema. Em parceria com a Citrus Consultoria, ele disponibiliza posts diários sobre o tema, além de podcasts quinzenais com entrevistas com profissionais da área.

– além do InovaSocial, temos apoiado iniciativas e eventos sobre o tema.

2. Fortalecimento do campo de negócios de impacto social 

– Nossa estratégia de atuação nesta agenda vai na direção do fortalecimento do ecossistema (nacional e regional) por meio do apoio a organizações intermediárias (aceleradoras, incubadoras, etc) que promovem negócios de impacto social (nas mais variadas vertentes conceituais). Temos parceria com a Artemísia, dentre outras alianças estratégicas nesta área.
– Além desta frente, temos também fomentado novos instrumentos de investimento de impacto, a partir de duas alianças:
a. SITAWI – criação de um Contrato de Impacto Social (SIB) no Estado do Ceará, na área de Saúde.
b. FIIMP – Fundações e Institutos de Impacto – criado a partir de um Lab da Força Tarefa de Finanças Sociais, 22 institutos e fundações se uniram para criarem um “fundo” para testar diferentes mecanismos de investimento de impacto, ampliando assim o repertório de fomento destas organizações. O Instituto Sabin é um dos fundadores deste Grupo e atua na sua coordenação/governança.